terça-feira, 23 de agosto de 2016

"DA ARTE E DO ARTISTA", por Isabel Rosete



«AS VOZES DA FILOSOFIA E DA POESIA, DAS ARTES, AS MINHAS E AS DE ALGUNS OUTROS (poucos, infelizmente), NUNCA SE CALAM! SEMPRE DIZEM A VERDADE/REALIDADE QUE, À SUPOSTA NORMALIDADE E AO DITO POLITICAMENTE CORRECTO, NÃO CONVÉM.
VIVA A "ANORMALIDADE"! VIVA A SAUDÁVEL "LOUCURA" DA RAZÃO DESPERTA!»
Isabel Rosete

sábado, 23 de abril de 2016

Isabel Rosete e Fluxos da Memória

1. Drª Danuia Pereira Leite
apresentando-me como pessoa, como profissional da Filosofia e da
Poesia, entre- Culturas, face ao conteúdo manifesto deste meu/quiçá
vosso livro "FLUXOS DA MEMÓRIA", no seu segundo lançamento, no Instituto
de Ciências do Som e Bioterapias, da qual é Presidente e pela qual
recebi este gentil convite;
2. Rosete Cansado
apresentando-me como pessoa, como amiga, mana e como profissional
destas áreas, em coligação com as nossas almas (gemias) pensantes e de emoções autênticas;
3. Carolina Martins lendo um dos poemas desta obra, manifestando o amor que nos nutre e a Filosofia que nos aproxima;

4. Revelando-me contra a falta de honestidade intelectual, contra as
fraudes/ausência de transparência da TV ("5 Para a Meia Noite", Marta
Crawford, RTP1), contra a hipocrisia, as máscaras, em nome da Verdade e
da Justiça, as quais devem sempre imperar, seja qual for o preço a
pagar, em nome da Identidade genuína. Declamando, igualmente, alguns dos
meu poemas sobre estas temáticas;
5. Uma "declaração de amor" do Professor Doutor José Zaluar
face à minha poesia/filosofia, que também diz NÃO, comparando-me com
Natalia Correia (que grande responsabilidade que carrego com muita
satisfação), uma das minhas Musas.
Bem-hajam pelas vossas intervenções, meus queridos amigos/leitores, por tanto carinho, por tanto me fazerem sentir lisonjeados!
Isabel Rosete

Isabel Rosete



Eu, Isabel Rosete, apresentando o meu livro "FLUXOS DA MEMÓRIA" no Instituto de Ciência do Som e Bioterapias - Lisboa, 16/04/2016 - a convite da Drª Danuia Pereira Leite​, a quem muito agradeço, assim como a todos os presentes neste evento e a todos os visualizadores deste vídeo realizado pelo Dr. Jorge Rosa​.
Saudações filosófico-poéticas,
Isabel Rosete

quarta-feira, 30 de março de 2016

Portugal, de Isabel Alves de Sousa

 Este livro é uma ode a Portugal.
Nele a autora afirma a sua sempre renovada esperança na capacidade do seu país se transfigurar e renascer das cinzas.
São dadas sugestões que pretendem servir de mote que possa contribuir para  um despertar dessa mesma esperança.
Apela à união e à redescoberta de valores intemporais que têm servido de   bússola a Portugal e aos portugueses e impulsionado a sua universalidade no contexto civilizacional mundial.

Isabel Alves de Sousa nasceu em Lisboa em 1966, filha de pais durienses que haviam fixado residência nesta cidade.
Em Lisboa passou a sua infância e a sua adolescência, mantendo sempre uma forte ligação, física e emocional, com as suas origens durienses. E contacto regular também.
Em Lisboa efectuou todos os seus estudos liceais no Lycée Français Charles Lepierre, donde saiu param a Faculdade de Direito de Lisboa. Aí permaneceu até ao 4º ano da licenciatura, altura em que o apelo das artes plástica com que desde cedo conviveu (frequentou as Oficinas de Verão do Museu Nacional de Arte Antiga com regularidade por vários anos em criança, p. ex.), falou mais alto.
Começou a pintar regularmente (década de noventa) e mudou-se para Cascais. Frequentou o Ar. Co. (desenho), em Lisboa e o atelier do pintor Paiva Raposo em Cascais e, desde então que se dedica à pintura.
Paralelamente, prosseguia com outra actividade que desde sempre se recorda de a acompanhar: a escrita, transversal na sua vida. Essa escrita permaneceu na “gaveta” longos anos. Até que surgiu o presente livro, “Portugal”, primeiro que registou, em 2013.
De interesses variados, destaca a história, a literatura e a filosofia. Nutre profundo amor e orgulho pelo seu país natal e deposita nas suas gentes grande confiança. Foi precisamente o amor a Portugal que a levou até às páginas do presente livro, único até hoje que sente necessidade e vontade de editar.
Actualmente vive em Lisboa e em Cascais onde se dedica à pintura e à escrita. 

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Libro: Frutales Cultura Y sociedad Un recorrido histórico de la fruticultura universal, y los orígenes de la fruticultura chilena hasta nuestros dias




ÍNDICE GENERAL

Sobre los autores

Introducción

I. FRUTAS Y FRUTALES EN LA HISTORIA UNIVERSAL

1. Las frutas de Dios

Fruticultura en el mundo bíblico

Pablo Lacoste, Verónica Yankelevich, José Antonio Yuri, Amalia Castro y Marcela Aranda

2. La fruta de los Héroes

Frutas y frutales en el mundo homérico

Elbia Difabio

3. Las frutas de los Sabios

Fruticultura en los tratados de agricultura de la Antigüedad

Edmundo Cerrizuela

4. Las frutas del Emperador

Papel de las frutas en la gastronomía romana de época imperial

Amalia Lejavitzer

5. La fruta de los califas

Producción y consumo de frutas en al-Andalus

Expiración García Sánchez

6. La fruta en el arte

Bodegones excepcionales del siglo XVII en Europa

Carolina Pavez

7. La Fruta en la Gastronomia Portuguesa

Del Libro de Cocina de la infanta doña María al Arte de la Cocina de Domingos Rodrigues (s. XVI-XVII)

Inês da Conceição do Carmo Borges

8. FRUTALES CULTURA Y SOCIEDAD

8. Las frutas de la Patagonia

Cultivo de pomáceas en el Alto Valle de Río Negro (Argentina)

Susana Bandieri y Graciela Blanco

9. Frutas y frutales cítricos del litoral arentino:

Una historia regional y su proyeccion territorial en el noroeste entrerriano

Nidia Tadeo y Paula Palacios

II. FRUTALES, SOCIEDAD Y CULTURA EN LA HISTORIA DE CHILE

10. Las frutas del Conquistador

Frutales europeos en el Reino de Chile (siglo XVI)

Juan Guillermo Muñoz

11. El arte de cultivar los frutales

Injertos de pomáceas, carozos, cítricos y nueces en Chile y Cuyo, 1700-1850

Amalia Castro, Pablo Lacoste, José Antonio Yuri, Marcela Aranda, Natalia Soto, Mario Solar y Cristian Chávez

12. Naranjas dulces y almendras amargas

Variedades de cítricos, nueces y otro frutales en Chile y Cuyo, 1700-1850

Amalia Castro, Pablo Lacoste, José Antonio Yuri, Marcela Aranda, Natalia Soto, Mario Solar y Cristian Chávez

13. Frutas y música

Arpas, guitarras y pianos en el mundo de los fruticultores regionales, Chile y Cuyo (1700-1860)

Gonzalo Martínez

14. La Fruta en la pintura colonial de chile. ¿decoración o simbolismo?

Olaya Sanfuentes

15. Fruta y gastronomía chilena

La fruta en los manuales de cocina (1850-1930)

Olaya Sanfuentes y Elisa Silva

16. Fruta y Fiesta

Presencia de la fruta en la vida campesina: el regalo precioso

Amalia Castro et al.

17. Geografía de la fruta en Chile (1936)

Pablo Lacoste, Bibiana Rendón et al.

18. Toponimia y frutales en Chile: una mirada comparativa con Argentina, España y Portugal

Pablo Lacoste, Marcela Aranda, José Antonio Yuri, Amalia Castro, Mario Solar, Natalia Soto, Cristian Chávez

19. La fruta chilena en el mundo

Jalones de un largo camino (1930-2012)

Pablo Lacoste, Amalia Castro, José Antonio Yuri

EPÍLOGO

APÉNDICE I:

Artículos sobre fruticultura publicados por la Sociedad Nacional de Agricultura (1838-1933)

APÉNDICE II:

Producción y exportaciones de fruta chilena por grupos: pomáceas, carozos, cítricos, nueces y

otros: (1975-2012)

APÉNDICE III:

La Asociación de Exportadores de Frutas de Chile (ASOEX) y sus aportes a la fruticultura nacional